quarta-feira, 5 de novembro de 2008

O teatro que a vida é


A preguiça é tão grande que pessoas têm já frases prontas e nem precisam pensar mais. Que nem, você ouve alguém te falando "aí é osso né brother", tipo, está pronto, nem pensou direito sobre, só passou pela cabeça "ah é algo difícil" então logo sai a resposta, teve um estímulo e respondeu a ele. Ou às vezes, que nem quando você pergunta o que a pessoa faz, ela responde e você automaticamente fala "ah é? Nossa que legal!", pode ser uma coisa bem besta ou que você acha nada a ver, mas você acaba falando, confesso que até eu faço isso às vezes. Tem também aquelas conversas classificadas como "conversa de vó" ou "conversa de tio", você não vê a pessoa por um tempo e quando a encontra, sempre, sempreeeeeeee têm a seqüência de perguntas "olha, como você cresceu” (claro a pessoa não te vê há uns cinco anos), "e o namorado/a?” (você nem namora), "e a escola" (você já se formou na faculdade), está tudo pronto! Até para marcar as coisas, você não vê a pessoa há milênios e quando encontra você fala "poxa, a gente precisa marcar de sair"... Por quê?! Você não vê a pessoa, não procura e não faz a menor diferença se ela está ou não presente na sua vida! O pior é que além das frases prontas tem também as respostas prontas, após ouvir isso a pessoa responde "nossa cara, temos sim, vamos marcar e encontrar o pessoal muita saudade daquele tempo", aí depois dessa conversa super produtiva e sincera as duas pessoas saem sem ao menos pegar o telefone um do outro. Chega a ser desanimadora a convivência social. Nós respondemos a estímulos com respostas já esperadas, com respostas já esperadas e ações já esperadas, tudo é fácil de deduzir, de adivinhar, de saber. No meio dessa preguiça... ou melhor, involução, me pergunto, se a gente age como animais, responde como animais, nunca deixamos de ser animais e nunca deixaremos de ser, por que a vontade de parecer tão mais civilizados e evoluídos? Acho que a resposta está no teatro... temos nossos textos, papéis e tentamos interpretar o que queriamos ou não ser. Fazemos várias peças durante a nossa existência tentando ser melhores mas na verdade, como os animais que achamos que não somos, agimos por instintos. A grande maioria não passa de figurantes da vida.



by Fry

3 comentários:

Valéria disse...

Como sempre você vem com um texto bem escrito e super elaborado... e que sinceramente, faz todo sentido. Não passamos mesmo de animais em busca de uma constante evolução, na qual não acreditamos verdadeiramente. No fim, não me resta dizer nada além de uma frase pronta... sendo essa: concordo com você, somos figurantes na nossa própria vida.

Monyque disse...

uhauahauahauahauahau pior que é tudo verdade....achu q todo mundo ja fez isso...
Eh automático e nem percebem que estão agindo como um robô.

Priscila disse...

mtu verídico seu texto!
bem claro e direto ao ponto, gostei =]
Deixou de fora as conversinhas de elevador comentando sobre o tempo e sua previsão hauahua
Veja como eh fácil se destacar socialmente, elimine as frases prontas, reaja de forma sincera e as pessoas olharam com outros olhos pra vc =]
assino em baixo do seu texto tbm rs
rs
Pri =]